Comida para crianças de 1 a 3 anos: o que você precisa saber

Você certamente sabe que seu filho precisa de uma alimentação equilibrada, que lhe dê todas as vitaminas e nutrientes de que o organismo precisa para crescer forte e saudável. Mas muitas vezes isso é difícil de conseguir.

Não entre em pânico. A maioria das crianças de 1 a 3 anos passa por uma fase em que fica muito chata para comer. Lembre-se do que diziam os velhos professores de pediatria: “Em casa onde tem comida, não há criança desnutrida”.

Além disso, as necessidades nutricionais da criança são menores do que quando ela tinha menos de 1 ano.

Leia abaixo algumas dicas para ajudar seu filho a comer melhor.

Como ajudar meu filho a ter bons hábitos alimentares?

Fique calma. Ofereça alimentos saudáveis e nutritivos para o seu filho, mas deixe que ele decida o quanto quer comer. Acredite, o corpo dele sabe o tanto de comida de que precisa.

Tenha horários fixos para as refeições e para os lanches, levando em conta a rotina de sono do seu filho durante o dia. Ofereça três refeições e mais dois ou três lanchinhos nutritivos. Veja exemplos de lanches saudáveis:

• frutas
• tomatinhos cereja e pedaços de queijo
• iogurte com pedaços de fruta
• um sanduíche pequeno
• cenoura, pepino ou erva-doce crus, ralados ou em pedaços pequenos, se ele já mastigar bem
• torrada ou pão com patê ou queijo cremoso
• leite gelado batido com frutas
• um copo de leite e um pãozinho ou fatia de bolo caseiro

Procure evitar dar de comer logo antes da hora da soneca, quando ele já está caindo pelas tabelas de tanto sono. Se a refeição atrasou e ele já está fechando os olhos, dê alguma coisa leve, e guarde a refeição maior para quando ele acordar. Encaixe os lanchinhos entre as refeições. Se passar muito tempo sem a criança comer, ela pode acabar ficando irritada de fome, o que atrapalha a paz da refeição.

Torne as refeições interessantes e divertidas. Uma das estratégias é sempre, depois do salgado, oferecer uma sobremesa. Com isso seu filho ganha mais uma chance de absorver nutrientes. Não é porque o alimento é doce que ele precisa ser proibido.

Mas não vale usar a sobremesa como prêmio por comer a parte salgada da refeição. Em tese, isso dá valor demais ao doce, o que causaria problemas no futuro. Você vai ter de fazer um enorme esforço para não cair na armadilha, porque usar esse artifício é quase automático.

Veja alguns exemplos de sobremesas nutritivas: pudim de leite, salada de fruta com iogurte ou um pouco de sorvete, compotas de fruta, arroz-doce, iogurte natural com geléia, fruta com mel (para crianças acima de 1 ano).

Coma junto com seu filho sempre que conseguir, e coma os alimentos que gostaria que ele comesse. Crianças precisam experimentar para aprender a comer novos alimentos, e o melhor incentivo é ver outras pessoas comendo. Faça comentários sobre a comida durante a refeição: “Nossa, isso está uma delícia”, ou “Humm, purê de batata com carne moída é uma das minhas comidas favoritas”.

Essa fase do seu filho é uma ótima oportunidade para aprimorar os seus hábitos alimentares e até para se aventurar mais na cozinha.

Respeite as preferências da criança. Nessa idade, começam a surgir os gostos: há crianças que gostam da comida molhadinha, outros já preferem alimentos secos. Outros exigem que cada tipo de comida fique separado do outro (não pode misturar o arroz com o feijão, por exemplo). Há aqueles que têm dificuldade para mastigar carne. Embora você deva respeitar o gosto do seu filho, não faça uma comida especial só para ele.

Ofereça sempre a mesma coisa que o resto da família estiver comendo, mas procure se certificar de que ele vá gostar de pelo menos uma das opções. Com o tempo, o gosto da criança vai mudando, portanto é importante continuar oferecendo ao seu filho a mesma comida dos adultos.

Que tipo de comida devo dar ao meu filho?

Dê a ele, todo dia, alimentos de todos os grupos alimentares:

1. Carboidratos
Os carboidratos são os responsáveis por dar energia ao organismo, e precisam ser oferecidos à criança em todas as refeições, e às vezes no lanche. Alguns exemplos: macarrão, arroz, batata, mandioca, cereais matinais e todos os alimentos feitos com farinha, como pães, bolos e bolachas.

2. Frutas, verduras e legumes
Pode ser que demore um pouco para a criança se acostumar às verduras. Tente oferecê-las em todas as refeições para que seu filho perceba que elas fazem parte do cotidiano alimentar da família. As frutas já são bem mais aceitas: ofereça-as também em pedacinhos para que seu filho coma sozinho. Elas são ótimos ingredientes para sobremesas e para bolos caseiros, que podem ser servidos de lanche.

3. Alimentos ricos em ferro e proteína
São eles: carne, frango, peixe, ovos e leguminosas (como feijão, grão-de-bico, ervilha e lentilha). Devem ser oferecidos em uma ou duas refeições por dia. Corte a carne bem pequenininha se seu filho tem dificuldade de mastigar. Prefira cortes com menos gordura. O fígado é uma das maiores fontes de ferro.

No caso de alimentos industrializados, tais como hambúrgueres, almôndegas ou frango empanado, verifique na embalagem não só a quantidade de gordura mas também a de sódio. Sódio demais é prejudicial, e esse tipo de alimento costuma exagerar na dose.

Famílias vegetarianas devem reforçar o consumo de grãos, ovos e castanhas, consumindo-os em duas ou três refeições por dia, para obter a quantidade necessária de ferro. Se há alguém alérgico na sua família, é aconselhável esperar até a criança ter 2 ou 3 anos para dar castanhas (amêndoas, nozes, amendoim etc.).

O ferro é mais bem absorvido quando consumido junto com a vitamina C. Por isso, um bifinho de fígado com suco de laranja é uma grande pedida.

4. Leite, queijo e iogurte
Ofereça leite e derivados ao seu filho mais ou menos três vezes ao dia. Os derivados de leite garantem o cálcio necessário para o crescimento dos ossos, mas têm pouquíssimo ferro. Entre 1 e 3 anos, as crianças precisam de menos leite do que antes do primeiro aniversário.

O total do dia pode ser de cerca de 350 ml. Por isso, não dê mamadeiras cheias. Faça um esforço para dar menos quantidade — a transição para o copo facilita. O problema de tomar muito leite é que não vai sobrar muito apetite para os outros alimentos, principalmente os ricos em ferro.

Se você estiver amamentando, continue. Caso já tenha desmamado seu filho, a partir de 1 ano não será mais necessário usar fórmulas especiais — você pode dar o leite comum, do supermercado.

A orientação dos especialistas é que crianças tomem leite integral (tipo A) até os 2 anos de idade. Depois disso, é possível passar para o tipo semidesnatado ou leite tipo B, desde que ela esteja se alimentando e se desenvolvendo bem. Nunca dê leite desnatado, light ou tipo C para seu filho, até ele ter pelo menos 5 anos, exceto sob orientação expressa do pediatra.

Existem fórmulas em pó que contêm leite integral e são fortificadas com ferro e vitamina. Você pode optar, junto com o pediatra, em dar uma dessas fórmulas, se seu filho não se alimentar muito bem. Nessa idade, não é incomum que crianças acabem ficando com um pouco de anemia por deficiência de ferro.

E para beber?

Ofereça entre seis e oito copos pequenos de bebida durante o dia — um junto com cada refeição e cada lanchinho. Pode ser que ele precisa beber mais nos intervalos, principalmente em dias quentes ou se estiver fazendo bastante atividade física. Nessa idade, a desidratação ainda acontece bem rápido.

Vá tentando eliminar as mamadeiras, trocando-as por copos comuns ou com tampa. A mamadeira faz com que a criança demore mais para beber e aumenta a exposição dos dentes aos açúcares das bebidas (até do leite puro), o que pode causar cáries ou corrosão do esmalte dos dentes. Mas você pode manter a amamentação sem problemas. Para facilitar sua vida, uma dica é estabelecer horários mais ou menos fixos para a mamada (ao acordar e antes de dormir, por exemplo).

Entre as refeições, prefira dar água ou leite. Água de coco também é uma boa opção. Guarde o suco de fruta para as refeições maiores, e escove os dentes da criança depois, pois a acidez das frutas pode ser prejudicial. Sucos industrializados contêm bastante açúcar e podem “roubar” o apetite do seu filho, além de ruim para os dentes. Tente diluir um pouco esse tipo de suco, misturando-o com água sempre que possível.

Há algum tipo de comida que devo evitar ou limitar?

Alimentos gordurosos ou com muito açúcar são úteis porque dão bastante energia à criança, mas devem ser oferecidos em quantidades pequenas. Entre eles estão manteiga, margarina, óleo, bolachas recheadas, sorvete. A gordura trans é ainda mais prejudicial, segundo os médicos. Evite.

Se seu filho não é lá muito ativo, você pode pensar em limitar ainda mais os alimentos gordurosos, para que ele não fique acima do peso.

Doces e chocolates podem ser dados de vez em quando, em ocasiões especiais, mas prejudicam os dentes se forem consumidos com frequência entre as refeições. Também tiram o apetite da criança, que deixa de comer outros alimentos mais saudáveis.

Comida muito salgada. O excesso de sódio não faz bem, e sal é questão de costume. Se você acostumar seu filho com muito sal, ele vai gostar de comida salgada o resto da vida. Existem alguns alimentos muito carregados em sódio. Veja a seguir algumas dicas:

• Salgadinhos: dê no máximo uma vez por semana.
• Não acrescente sal à comida na mesa.
• Use outros temperos além do sal para dar sabor à comida.
• Cuidado com alimentos industrializados, como caldos prontos, sopas de saquinho, congelados e temperos. Observe a embalagem e verifique o número em porcentagem. Se o número relativo ao sódio for muito maior que todos outros, o alimento provavelmente tem sódio demais e deve ser dado em pequenas quantidades.

Peixes gordurosos, como sardinha, salmão, truta e atum fresco, são uma ótima fonte de ômega 3 e vitaminas A e D, mas não devem ser oferecidos mais que duas vezes por semana para crianças entre 1 e 3 anos de idade, por conterem toxinas que podem se acumular no corpo.

Nozes e castanhas: crianças que tenham familiares que sofram de asma, dermatite ou alergias alimentares devem esperar, por precaução, até os 2 ou 3 anos para experimentar amendoim, pasta de amendoim, amêndoas, nozes, avelãs. Há certa controvérsia sobre se essa medida reduz o aparecimento da alergia, mas pelo menos a criança já é maior e pode se expressar melhor em caso de reação. Em dúvida, converse com seu pediatra.

Adoçantes: embora eles tenham sido testados, é melhor evitar seu uso, quando possível, em crianças pequenas, por precaução. Evite sucos ou refrigerantes tipo diet e light.

Existem alimentos que fazem mal?

• Ovos crus e frutos do mar podem causar intoxicação alimentar em crianças pequenas, porque a imunidade delas é menor. Prefira dar ovos bem cozidos, com a gema dura, e evite sobremesas, como mousses, que usem claras cruas.

• Alguns tipos de peixes grandes, como cação e tubarão, não devem ser consumidos por crianças, porque acumulam substâncias tóxicas como o mercúrio.

• Castanhas e amendoins inteiros não devem ser dados antes dos 5 anos por risco de a criança engasgar. É preciso tomar cuidado também com o milho não-estourado da pipoca.

• Chá e café devem ser evitados porque reduzem a absorção de ferro dos alimentos.

Preciso dar vitamina ao meu filho?

A suplementação com vitamina A e D e com ferro deve ser decidida pelo pediatra caso a caso, levando em conta a alimentação da criança e até a região do país em que ela vive. O Ministério da Saúde recomenda a suplementação com ferro até no mínimo os 18 meses, ou seja, 1 ano e meio, para evitar a anemia.

Em regiões consideradas de risco, o governo promove a administração de “megadoses” semestrais de vitamina A às crianças de até 5 anos. Converse com o pediatra ou informe-se na Unidade Básica de Saúde que você utiliza.

As farinhas de trigo e de milho no Brasil já são enriquecidas por lei, e há vários outros produtos industrializados ricos em vitaminas e ferro, como as fórmulas infantis, cereais matinais, alguns leites longa-vida etc.

Se seu pediatra é particular ou de convênio, converse com ele sobre a necessidade da suplementação com vitamina e ferro.

Receita de Salpicão de Beterraba e Cenoura

Ingredientes:

  • 2 unidade(s) de beterraba ralada(s) grossa(s)
  • 2 unidade(s) de cenoura ralada(s) grossa(s)
  • 2 xícara(s) (chá) de funcho fatiado(s)
  • 1 xícara(s) (chá) de batata palha
  • 1/2 xícara(s) (chá) de creme de leite
  • 1/2 xícara(s) (chá) de maionese
  • 1 colher(es) (sopa) de mostarda
  • 1 colher(es) (sobremesa) de molho inglês
  • quanto baste de sal
  • quanto baste de pimenta-do-reino branca ralada(s)

Preparação:

Misturar todos os ingredientes em uma saladeira e decorar com as flores a gosto.

 

Receita de Salada de Rabanete e Laranja

Ingredientes:

  • 1 xícara(s) (chá) de agrião
  • 1 unidade(s) de laranja
  • 4 unidade(s) de azeitona preta Molho
  • 1 colher(es) (chá) de azeite
  • 1 colher(es) (sopa) de iogurte desnatado
  • quanto baste de cebolinha verde
  • quanto baste de sal

Preparação:

Arrume de forma harmoniosa o agrião, a laranja em gomos, o rabanete ralado, e enfeite com as azeitonas. MolhoMisture os ingredientes do tempero e regue na hora de servir.

Sucos desintoxicantes

Para liberar as toxinas acumuladas no corpo pela alimentação em excesso, pelo consumo de alimentos inadequados e até mesmo pelo estresse, o consumo de sucos desintoxicantes é uma alternativa natural e bastante saudável.

Os sucos desintoxicantes podem ser feito a partir de frutas e vegetais frescos, que são ricos em fibras e excelentes fontes de nutrientes. Estes sucos têm como função a limpeza e desintoxicação de impurezas do organismo, facilitando ainda o funcionamento intestinal, prevenindo doenças e mantendo o bem-estar do corpo.

Existem várias frutas e verduras que possuem o poder de desintoxicar o organismo. Algumas delas são: maçã, laranja, cenoura, abacaxi, melão, manga, tomate, beterraba, clorofila, agrião, limão, mamão, caqui, couve, agrião, pepino, morango entre outros.

Não é aconselhável trocar os hábitos alimentares por apenas sucos e muito menos exagerar nas quantidades ingeridas. Com apenas um ou dois copos diariamente já é possível obter bons resultados.

Os benefícios dos sucos desintoxicantespara o organismo são diversos, entre eles o aumento na disposição, pele hidratada, ajudam na qualidade do sono, memória e lucidez, reforçam o sistema imunológico ativo prevenindo de doenças, aumentam a resistência a gripes e resfriados, melhoram o sistema cardiovascular controlando a hipertensão. Além disso, promovem um ótimo funcionamento intestinal e ajudam a tonificação de pulmões, rins e fígado.

É importante lembrar que os sucos industrializados não trazem os mesmos benefícios que os naturais. Eles passam por um processo de pasteurização, possuem aditivos e conservantes químicos. Evite consumi-los com muita freqüência. Dê preferência para os sucos naturais e consuma sempre logo após o seu preparo, assim você não perde os efeitos nutritivos e terapêuticos.

Existem várias receitas de sucos desintoxicantes com ações diferentes no organismo, mas todas promovem o bem-estar. Confira algumas delas e aprenda a prepará-los.

Suco desintoxicante

  • 1 cenoura
  • 1 pepino (com casca)
  • ½ beterraba média e crua
  • ½ xícara de chá de talos e folhas de hortelã
  • 1 suco de limão e raspas da casca
  • 1 cenoura
  • 1 maçã
  • ½ molho de alface (talo incluso)
  • 1 suco de limão e raspas da casca
  • 1 xícara (chá) de abacaxi em cubos
  • 1 cenoura
  • 1 xícara (chá) de talos de erva doce
  • 1 suco de limão e raspas da casca
  • 1 fatia de mamão
  • 1 suco de laranja
  • 1 suco de limão
  • 5 ameixas secas ou uva passa sem caroço
  • 4 cenouras
  • 1 maçã
  • 1 suco de limão (com casca)
  • 2 laranjas
  • 1 pedaço de gengibre
  • 1 tomate
  • ½ pepino (com casca)
  • 1 talo de salsão
  • 1 suco de limão

Suco desintoxicante e calmante

Suco desintoxicante e digestivo

Suco desintoxicante e laxante

Suco desintoxicante e energético

Suco desintoxicante e “engana fome”

Temperar com sal ou molho shoyo e tomar no intervalo da manhã ou tarde.

Suco desintoxicante e diurético

  • 2 fatias de melancia
  • 1 talo de aipo com folhas
  • 2 maçãs
  • 1 laranja
  • ramos de manjericão
  • 1 limão (com casca)

Suco desintoxicante e “aumenta imunidade”

Para fazer sucos desintoxicantes é preciso usar uma centrífuga ou liquidificador para bater bem os ingredientes. Evite usar muita água, mas caso prefira, meio copo de água filtrada ou água de coco já é o suficiente para deixar o suco mais cremoso. Prefira os sucos ao natural e evite ao máximo o açúcar e adoçante.