Como estimular hábitos saudáveis na infância?

Pense na lancheira de uma criança de 7 anos. Quais alimentos você consegue visualizar?

Aposto que pensou em guloseimas e alimentos práticos como biscoitos recheados, refrigerantes e salgadinhos industrializados. Infelizmente, essa é a realidade de nossas crianças nos dias atuais.

A criança tem um organismo que não está totalmente formado: desenvolve-se a cada dia, cresce e se modifica a cada momento. E para que todas essas alterações ocorram de maneira adequada, são necessários diversos nutrientes. Por isso, é cada vez mais discutido e evidenciado a importância de uma dieta diversificada e equilibrada para a criança, de modo que a mesma consiga atingir um desenvolvimento pleno, de acordo com o seu potencial genético.

Por isso, eu pergunto: será que estamos garantindo uma alimentação saudável e diversificada para nossas crianças? E vou mais além: será que nós (pais, tios, avós, irmãos e cuidadores) estamos ensinando-os hábitos  saudáveis através de nossos exemplos?

Devemos, desde o início, estimular o senso crítico das crianças, principalmente, em relação ao que elas estão comendo. Como assim? É muito simples: a criança deve ser informada sobre os benefícios dos alimentos saudáveis para que aprenda a se responsabilizar pelo consumo dos mesmos. Tudo isso de maneira descontraída e lúdica, é evidente.

Envolver as crianças no preparo de alimentos faz toda a diferença. A criança tem que se sentir parte do processo. Tente o seguinte: inicie logo na compra um diálogo sobre o alimento com a criança. “Que tal deixar o arroz mais bonito e colorido hoje?”. Compre cenoura, pimentão verde e milho em espiga. Comente como as cores são bonitas, vibrantes.

Quando iniciar o pré-preparo dos alimentos (lavar, picar, ralar) permita que a criança ajude (com restrições, é claro). Ela pode, por exemplo, pegá-los na geladeira ou transferi-los para uma tigela. Durante o processo, explique os benefícios: cenoura faz bem para os olhos e deixa a pele bonita, pimentão protege contra a gripe, milho faz bem para o intestino, etc… Frise sempre que eles são deliciosos e importantes para a saúde.

Depois de preparados, sente com a criança e aprecie a refeição: converse sobre o aroma, a textura, as cores… Mostre que comer bem envolve prazer e tranquilidade. Não dá para almoçar em 10 minutos, vamos combinar!

Infelizmente, estamos perdendo o prazer à mesa. As refeições são feitas às pressas, sem uma escolha alimentar consciente e saudável. Isso dificulta todo o processo.

Lembre-se, somos espelho: a criança aprende por condicionamento. Se a família não gosta de brócolis, por exemplo, provavelmente a criança também não gostará, por dois motivos principais:

1. Terá pouco contato com a hortaliça, pois a família dificilmente irá prepará-la, ou seja, não aprenderá a gostar do sabor do alimento. Detalhe: quando o brócolis for preparado a criança será “obrigada a comer porque precisa”.

2. Quando surgir o assunto “brócolis” os familiares irão demonstrar desagrado porque o julgam como um alimento não saboroso. A criança absorve isso de maneira surpreendente. Quando tiver contato com o brócolis, vai recusar sem pestanejar.

Pense em sua responsabilidade: a alimentação da criança deve ser, desde o início, tão variada e saudável quanto for possível. Os hábitos alimentares são formados nos primeiros anos de vida e ficam arraigadas por toda uma vida!

5 dicas para escolher e conservar melhor frutas e verduras

Com uma lista sucinta, indicamos algumas boas maneiras de preservar os alimentos

Escolher e conservar as frutas e verduras é um real desafio para os consumidores. Além disso, é um “problema” que se intensifica durante essa época do ano devido ao aumento das temperaturas. Por ser um tema muito complexo – e com especificidades, a Globo Rural, inclusive, já fez um infográfico incrível sobre este tema. Confira aqui!

Mas agora decidimos reunir algumas dicas mais sucintas e gerais dadas pela Aphortesp (Associação dos Produtores e Distribuidores de Hortifrútis do Estado de São Paulo) para que seus produtos não sejam perdidos nesse calorão de início de ano.

Confira:

1 – Visual

Sempre que escolher as frutas, certifique-se que o seu produto não apresente partes amolecidas, manchadas, mofadas, de cores alteradas, com perfurações ou enrugamentos.

2 – Timing

Se puder, mantenha-se informado sobre as frutas e legumes da estação. Assim, o produto se adaptará melhor aos seus cuidados, pois são mais econômicos e conservam melhor o nutriente.

3 – Para guardar hortaliças

Quando ficarem fora da geladeira, elas devem ser mantidas com a parte inferior da planta (talos e caules) em uma vasilha com água ou num saco plástico aberto. Mas cuidado, ambas as técnicas só darão certo se estiverem em local bem fresco e por apenas um dia.

Já na geladeira, use um saco de plástico ou uma vasilha tampada, retirando as folhas de acordo com o consumo.

4 – Para guardar frutas

As frutas devem ser mantidas com casca e sem lavar. Essa medida é boa, pois podem ocorrer danos com o fruto no processo de lavagem. Especialistas apontam essa a maior “porta de entrada” para doenças.

5 – Pense no próximo

Uma boa dica – de companheirismo – é selecionar o produto com os olhos e não com as mãos. Assim, a fruta ou hortaliça não fica amassada ou perfurada. “É preciso ter cuidado ao manusear os alimentos, valorizar que aquele produto in natura já foi previamente selecionado para estar no ponto de venda, e se às vezes o tamanho de uma fruta não agrada a um comprador, por exemplo, pode, ao contrário, ser exatamente o que outro comprador procura”, alerta Danilo Duarte, associado da Aphortesp.

Use o Talo da Beterraba para Beber

É exatamente isso que você leu. Não jogue fora o talo da beterraba, e utilize-o em outras preparações. O talo da beterraba tem vitaminas, minerais, fibras e betacaroteno. Você vai amar o Betacaroteno, pois ele é responsável por deixar a sua pele e os seus cabelos ainda mais lindos.

Uma diquinha muito bacana para saber como escolher a melhor beterraba para comprar, é ficar de olho na cor. A coloração precisa estar concentrada e forte.

Outros pontos para ficar de olho são o tamanho e o aspecto da beterraba. O tamanho também é algo para ficar de olho. Não adianta correr atrás das maiores, as beterrabas médias e pequenas são as ideais. Já a casca deve estar o mais lisa possível e as folhas brilhantes (lembre-se que vamos utilizar essas folhas depois.)

A safra da beterraba acontece de agosto a fevereiro, e é aonde você encontra as melhores espécies e com um preço mais atrativo.

Se você duvida que os alimentos podem ser aproveitados ao máximo, saiba que em alguns países europeus a beterraba é usada até como combustível de automóveis.

Mas voltando para o talo, quando você estiver preparando sua salada de beterraba, corte o talo e separe. Lave eles muito bem, afinal não é porque é o talo da beterraba que você vai comer ele sem lavar, não é?

E o que eu faço com o talo da beterraba de verdade?

Com isso você pode fazer um gostoso suco, batendo os talos de beterraba com um pouco de água, alguns pedaços de abacaxi e agumas folhinhas de hortelã. É o famoso suco BeteCaxiTelã..rs ( Não, não é.. é que a gente acha divertido criar nominhos)

Que tal deixar esse medo do novo de lado e experimentar esse suco?

Fonte:http://www.entrelegumeseverduras.com.br