Seu filho não come legumes e verduras?

Especialistas confirmam que apresentar logo cedo e com bastante consistência os vegetais às crianças ainda é um dos modos mais eficientes de ensiná-las a comer esses alimentos

Você sabia que cerca de 90% das crianças não cumprem as recomendações diárias de consumo de vegetais nos Estados Unidos? O altíssimo índice vai contra as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). O órgão estabelece que é necessário ingerir pelo menos 400 gramas todos os dias. Muitos pais dizem que os filhos não gostam de comer verduras e legumes, mas não existe segredo para inserir estes itens com sucesso no menu dos pequenos. A melhor maneira de implantar na criança o gosto pela alimentação saudável é oferecer e expor esse tipo de comida o tempo todo e estimular o contato o quanto antes. “As pesquisas que temos até agora mostram que a exposição repetida tem um impacto mais consistente no aumento da aceitação de vegetais por crianças pequenas”, explica a PhD Susan Johnson, professora de Pediatria e Diretora do The Children’s Eating Laboratory, na Universidade de Colorado-Denver, uma das participantes de um dos painéis da American Society for Nutrition (ASN).

No Brasil, uma pesquisa do Ministério da Saúde mostrou que todas as capitais da região Sudeste estão entre as dez cidades que mais comem frutas e hortaliças no país. Enquanto, em média, apenas 24,1% dos brasileiros consomem cinco ou mais porções cinco vezes da semana ou mais, em Vitória, o índice sobe para 26% e, em Belo Horizonte, para 32%. Tanto em São Paulo quanto no Rio de Janeiro, a média de consumo é de 25%. A mesma pesquisa, batizada de Vigitel 2014, revelou que 52,5% dos brasileiros estão acima do peso. Os números mostram que a taxa jovens com menos de 18 anos obesos é de 17,9%, um índice que se manteve estável nos últimos anos, mas ainda considerado muito alto. E qual a indicação para combater a obesidade e o excesso de peso? Praticar exercícios físicos e ter uma dieta equilibrada e rica em (adivinhe só!): frutas, verduras e legumes.  “Esses alimentos fornecem vitaminas e sais minerais importantes para a criança. Possuem boa quantidade de fibras que regulam o intestino e colaboram para a prevenção de doenças antes exclusivas de adultos, como diabetes tipo 2, pressão alta e obesidade”, explica a nutricionista Beatriz Botequio, da Equilibrium Consultoria em Saúde e Nutrição.

Como introduzir vegetais na dieta da criança
A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que, a partir dos 6 meses de idade, período exclusivo de aleitamento materno, sejam introduzidos novos alimentos na dieta do bebê, em forma de papas e sopinhas. Primeiro, vêm as frutas e, depois, as verduras e legumes. Muitas vezes, ao primeiro sinal de rejeição da criança, os pais voltam atrás.  “Na aflição de o filho não comer, os pais desistem de oferecer o ‘alimento novo’ e dão a opção que sabem que o filho aceita, como o leite ou mamadeira. Esse comportamento reforça à criança que ela não precisa dos novos sabores”, explica Beatriz.

Os especialistas da American Society for Nutrition recomendam que as crianças provem o mesmo alimento pelo menos entre 8 e 12 vezes antes de dizerem que não gostam. No entanto, a maioria dos pais desiste lá pela terceira ou quarta tentativa. É claro que insistir para que seu filho pelo menos sinta o gosto da comida – não precisa engolir se não gostar! – não é uma tarefa das mais fáceis: tem choro, reclamações e pedidos de clemência. No entanto, é preciso resistir. “Nascemos com o paladar apurado para o doce. Já, para os demais sabores (azedo, amargo e salgado), é preciso aprender a acostumá-lo”, explica Beatriz.

Os pais são o exemplo

Essa resistência a alimentos novos não acontece apenas com legumes e verduras. “No consultório, quando dizemos que é preciso dar fígado para a criança, muitas mães fazem uma cara horrorosa, na frente do filho”, conta o pediatra e neonatologista Jorge Huberman, do Hospital Albert Einstein (SP). Como esperar que a criança coma de bom grado um alimento que os próprios pais abominam?

Isso leva a outro aspecto do problema. Uma travessa de couve, de brócolis ou de alface não vai parar em cima da mesa espontaneamente. Alguém deve comprá-los, lavá-los, cozinhá-los… Preparar verduras e legumes dá trabalho – ainda mais quando os próprios pais não têm o hábito de comer esse tipo de alimento. Lembre-se de que você é o primeiro modelo de comportamento do seu filho. Ele aprende a andar vendo você caminhar, a falar vendo você conversar e a se alimentar observando como – e o quê – você come.

Muitas vezes, pais e mães se queixam de que a criança se alimenta superbem na escola, prova novos alimentos sem problemas, mas, em casa, dá o maior trabalho e rejeita tudo que não seja arroz ou batata frita. “Na escola existe o fator socialização. A criança vê os coleguinhas comendo e quer comer também. Faz parte de um ritual. Em casa, muitos pais apenas colocam o prato na frente da criança e querem que ela coma. Não dá. É preciso inserir a comida em um contexto”, alerta Huberman. Isso inclui desligar a TV na hora das refeições, todos se sentarem à mesa juntos, envolver a criança na hora de pôr a mesa e de tirar os pratos, enfim, transformar todo o processo em um evento que pede a participação dos pequenos. “Levar as crianças à feira ou ao supermercado, deixando que elas toquem os alimentos e participem da escolha, ou mesmo permitir que ajudem no preparo de alguma receita, pode ser interessante”, recomenda Beatriz.

Para ajudar você, selecionamos  5 dicas para ajudar nas refeições aí na sua casa:

1) Coloque-se no lugar da criança. Imagine só fazer uma viagem para um país exótico, com comidas inteiramente diferentes das que você está acostumado. Pense na Índia, na Tailândia ou no Japão. É impossível garantir que você vai adorar tudo o que provar – talvez alguns temperos pareçam estranhos demais, alguns cheiros não lhe agradem e, para você, alguns sabores sejam realmente desagradáveis. Para a criança, é a mesma coisa.Tudo o que tem um gosto diferente do leite (ou do que ela já se acostumou a comer) é exótico e nem sempre parece bom na primeira provada.

2) A cara da comida às vezes não agrada. Antes de experimentar para ver se o gosto agrada ao paladar, muitas crianças torcem o nariz para determinadas comidas. Por isso, vale investir em apresentações criativas para montar pratos coloridos e atraentes. Veja algumas ideias aqui.

3) Perceba se o problema não é a comida em si, mas a atenção. Toda refeição vira aquele circo: seu filho que não quer mais comer, se levanta da mesa, você acaba perdendo a cabeça e seu almoço se transforma em uma verdadeira novela mexicana. Você acha que a criança não percebe que a atitude dela controla toda a dinâmica da refeição? “A comida pode se tornar um jeito de se sobressair e, às vezes, até de se diferenciar de um irmãozinho que acabou de nascer”, comenta Huberman.

5) Não tente esconder no prato aquilo que a criança não gosta. Nada de tentar camuflar uma rodela de beterraba embaixo do bife ou esconder pedacinhos de couve em meio ao purê como quem não quer nada. A criança pode ficar desconfiada e ela precisa saber o que está comendo. Uma estratégia totalmente diferente (e bem mais eficaz) é enriquecer receitas com vegetais. Por exemplo, preparar um molho de tomate com diversos legumes batidos no meio ou rechear uma torta de frango com uma porção de legumes. Vale também insistir em diferentes modos de preparo. Se o seu filho não comeu brócolis cozido, tente prepará-lo gratinado, refogado, em forma de purê, em forma de bolinhos, como recheio de uma massa… Solte a criatividade!

6) Criança com fome come Essa máxima nunca falha. Se quando seu filho estiver realmente com apetite houver escolhas saudáveis disponíveis, ele vai comer. Mas, se ele souber que há sempre um pote de sorvete por perto, você já sabe o que acontece.

alimentacao

Varie nas saladas: 10 hortaliças que devem fazer parte da sua alimentação

Mais conhecidas como verduras e legumes, as hortaliças são os alimentos mais versáteis, leves e nutritivos para acompanhar e variar a nossa alimentação do dia a dia.Incluídas principalmente em saladas, esse grupo tem muito mais a nos oferecer. Além de fontes importantes de vitaminas, minerais e fibras, elas possuem compostos bioativos que deixam o organismo equilibrado, mais vivo e forte, que melhoram a disposição do corpo e potencializam os aspectos mais saudáveis da vida.

As hortaliças são tão importantes para nossa formação corporal, que o Ministério da Saúde, em junto à Organização Mundial de Saúde, recomenda a ingestão de, pelo menos, três porções dos alimentos por dia. Mas, não só a quantidade é importante. É necessário diversificar o menu, alternando diferentes alimentos a cada refeição.

“Nesse aspecto, o Brasil é um país privilegiado, no qual as condições de solo e clima permitem o cultivo de uma enorme diversidade de espécies de hortaliças, garantindo a disponibilidade de produto fresco durante todo o ano”, diz a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Embrapa. O órgão, inclusive, lançou o projeto “Hortaliça não é só salada”, um programa com informações e dicas para facilitar na hora de comprar, conservar e cozinhar esses alimentos.

Conheça algumas hortaliças e saiba os seus benefícios

Abóbora – Pertence à família Cucurbitácea, a mesma da melancia, do melão, do chuchu e do pepino. A abóbora é um fruto rico em vitamina A.

Abobrinha – É um fruto de fácil digestão, rico em niacina, além de ser fonte de vitaminas do complexo B. Possui poucas calorias.

Acelga – Cerca de 100 g dessa hortaliça atendem a necessidade diária de vitamina A de um adulto. Apresenta também razoável teor de vitamina C.

Agrião – O agrião de terra seca é uma hortaliça tipo folha, rica em vitamina C e em sais minerais. O agrião é mais rico em ferro que a couve e o espinafre e os talos são ricos em iodo.

Alface – A alface constitui uma importante fonte de sais minerais, principalmente de cálcio e de vitaminas, especialmente a vitamina A.

Alho – Rico em vitaminas do complexo B e contém uma quantidade de fósforo expressiva.

Berinjela – Apesar de ainda pouco consumida no Brasil, a berinjela é uma das hortaliças mais apreciadas no mundo. Contém cálcio, ferro e fósforo e pequenas quantidades de vitamina A e B5

Brócolis – O brócolis é uma hortaliça com poucas calorias, sendo recomendável em regimes de emagrecimento. Possui considerável teor de vitamina C.

Cenoura – A cenoura é uma hortaliça de elevado valor nutritivo, sendo provavelmente uma das melhores fontes de vitamina A. Também fornece cálcio, sódio e potássio.

Ervilha – As ervilhas são hortaliças muito nutritivas e fornecem boa quantidade de vitaminas A, C e B, minerais e fibras.

Alface Higienizado

Alface Higienizado

Os Benefícios das Frutas e Legumes

As Frutas e Legumes não podem falta em uma dieta saudável, é provável que você queira saber melhor os Benefícios das Frutas e Legumes. Muitas Frutas e Verduras são excelentes fontes de uma grande variedade de nutrientes, mas as verdes escuras tendem a ser mais rica em nutrientes. Se você está querendo obter o máximo de um determinado nutriente em uma pequena quantidade de comida, ou se você está simplesmente procurando forma de melhora a sua dieta, As Frutas e legumes são, muitas vezes, o melhor opção para melhora a sua saúde.

Cálcio

Embora não seja geralmente conhecido, As Frutas e legumes como Couve, Brócolis eEspinafre são todos muito ricos em cálcio. O Cálcio é um nutriente importante que é crucial para o desenvolvimento e manutenção de Ossos, dentes e outras partes do seu corpo também. Embora os produtos lácteos, como Leite e Queijo são excelentes fontes de cálcio, muitas pessoas desenvolvem uma intolerância ou sensibilidade para estes produtos ao longo do tempo. As Frutas e legumes podem ser uma boa maneira de continuar a obter o cálcio que seu corpo necessita, sem causar seu sistema digestivo qualquer stress.

Fibra Dietética

As Frutas e legumes em geral são uma boa fonte de fibra dietética, mas os verdes escuros , em particular, tem os principais nutriente. Brócolis, Espinafre, Pepino, kiwi, e as Peras são boas fontes de fibras alimentares. A fibra é responsável por manter um sistema digestivo saudável e apoiar uma ampla gama de outros sistemas corporais de forma menos cruciais também. Comerfrutas e legumes vai ajudar a garantir que você não tenha problemas com o seu sistema digestivo.

Antioxidantes

As Frutas e legumes também são famosos por serem bem abastecido com antioxidantes. Em particular, CouveBrócolis, Abobrinha, Pepino, e Maçãs verdes são boas fontes de antioxidantes. Em seu corpo, os processos químicos que ocorrem naturalmente pode resultar em partículas livres de oxigênio tornando solto e flutuante através de sua corrente sanguínea. Quando isso acontece, é possível que as células podem tornar-se danificados enquanto as partículas de oxigênio interagem com eles. Danos repetida ao longo de muitos anos pode levar a doenças progressivas como o câncer. Antioxidantes são substâncias químicas naturais que neutralizam essas partículas de oxigênio antes que eles causem danos. Eles têm sido associados como principal forma de previnir o câncer.

Vitaminas

Enquanto que cada tipo de Frutas e legumes  contém uma mistura ligeiramente diferente de vitaminas, é provável que qualquer um que você escolher vai ter uma boa fonte de pelo menos um nutriente importante deste tipo. Na verdade, a maioria são excelentes prestadores de vários tipos diferentes de vitaminas. A Vitamina A e Vitamina C são duas das vitaminas mais comumente ocorrem nestes tipos de legumes e frutas. A vitamina A ajuda o organismo a processar um número de diferentes nutrientes, como Cálcio e potássio, enquanto a vitamina C é essencial para a construção de seu Sistema Imunológico e para impedi-lo de ficar doente.
verduras

verduras

Legumes na panela de pressão

  • 1/4 repolho em pedaços
  • 3 folhas de couve cortadas
  • 2 cenouras em cubos
  • 1 chuchu em pedaços
  • 3 vagens em pedaços
  • 3 pedaços pequeno de brocólis
  • 3 pedaços de couve-flor
  • 1/4 de uma cebola
  • 1 saquinho de azeitona (só usar a água do saquinho)
Modo de Preparo
  1. Coloque todos os legumes na panela de pressão
  2. Jogue por cima a água do saquinho de azeitonas
  3. Feche e quando a panela começar a chiar conte 3 minutos e desligue
  4. Não colocar sal e água

Suflê de cenoura

Ingredientes

  • 4 cenouras médias
  • 1 colher de sopa de tahine ou pasta de gergelim
  • 2 colheres de sopa de suco de limão
  • 1 colher de chá de mel puro
  • Sal marinho a gosto

modo de preparo

  1. Cozinhe metade das cenouras com o tahine até que fiquem tenras, passe numa peneira fina, juntando o mel e o sumo de limão
  2. Rale bem fino o resto das cenouras e misture com a massa peneirada, formando um suflê
  3. Coloque tudo numa fôrma e asse por alguns minutos em forno brando
  4. Decore com salsinha picada, coentro fresco picado ou ovo caipira cozido ralado

.

Legumes com coentro

1/2 xícara (chá) de vinagre de vinho
. 1/4 de xícara (chá) de coentro picado
. 1/4 de xícara (chá) de salsa picada
. 4 dentes de alho picados
. 1/4 de xícara (chá) de pimentão verde picado
. 3/4 de xícara (chá) de azeite
. Sal e pimenta-do-reino a gosto
. 6 cenouras médias cortadas em fatias na diagonal
. 5 abobrinhas cortadas em fatias na diagonal
. 1 couve-flor em buquês
. 500 g de tomates-cereja

Modo de preparo

1. Em uma tigela média, misture o vinagre, o coentro, a salsa, o alho e o pimentão.

2. Junte o azeite e tempere com sal e pimenta. Reserve.

3. Afervente a cenoura em água com sal por 6 minutos. Escorra e passe pela água fria.

4. Afervente a abobrinha e a couve-flor por 1 minuto. Escorra e passe pela água fria.

5. Misture os legumes cozidos e o tomate com o molho e deixe repousar por 1 hora na geladeira.

6. Passe para uma saladeira e sirva frio com carnes assadas ou grelhadas.

SOPA CREME DE LEGUMES

Ingredientes

  • 1 cenoura média picada
  • 1 nabo pequeno picado
  • 1 alho-poró grande fatiado (só a parte branca)
  • 1 abobrinha média picada
  • 1 tomate pequeno sem pele e sem sementes picado
  • 3 colheres (sopa) de cebola picada
  • 1 folha de louro
  • 1 talo ou 1 pitada de tomilho fresco
  • 600 ml de água ou caldo de galinha

Modo de preparo

  • Cozinhe todos os ingredientes.
  • Retire o louro e o tomilho (se for em talo) e bata no liquidificador.
  • Misture tudo e sirva.

Papinha de bebê com legumes

  • Ingredientes:
    Carboidratos:
  • Batata
  • Batata doce
  • Mandioquinha
  • Inhame
  • Abobora
  • Cara
  • Verduras:
  • Espinafre
  • Escarola
  • Couve
  • Proteína:
  • Carne
  • Frango
  • Legumes:
  • Cenoura
  • Abobrinha
  • Chuchu
  • Ervilha
  • Vagem
  • Beterraba
  • Tomate
  • Ervas:
  • Salsa
  • Outros:
  • Alho
  • Cebola
  • Macarrão
  • Ovo cozido
  • Feijão
  • Arroz
  • Aveia
  • Quinoa

Modo de Fazer

Para fazer a papinha é sempre importante escolher ingredientes de grupos diferentes, misturando carboidratos, legumes, verduras, proteínas e outros.

Colocar os ingredientes desejados numa panela com água e deixe cozinhar com pouco sal. Quando estiver quase sem água, bater na consistência desejada.

Se desejar, colocar as porções em sacos e congelar.

Salada de acelga, laranja e salmão

  • 3 Folhas de acelga picadas
  • 1 laranja em pedaços
  • 2 Colheres (sopa) de milho verde
  • 3 Castanhas de caju picadas
  • 1 Posta (100 gramas) de salmão grelhado
  • Molho De Mostarda:
  • 1 Colher (chá) de azeite
  • 1 Colher (café) de mostarda
  • 1 Colher (sobremesa) de aguá
  • 1 Colher (sobremesa) de salsinha picada

 Modo de preparo

Coloque todos os ingredientes em um recipiente e misture bem.
Em um prato, disponha os ingredientes da salada.
Desmanche o salmão em lascas.
Sirva com o molho de mostarda.

Abóbora japonesa ao forno

1 abóbora japonesa média, cortada ao meio e sem sementes

  • 1 colher (sopa) (15 g) de manteiga
  • 2 colheres (sopa) de açúcar mascavo
  • Sal a gosto

Modo de preparo

Preaqueça o forno a 180 ºC.

Num tabuleiro coloque a abóbora com a parte cortada virada para baixo. No forno preaquecido, asse a abóbora até que ela comece a amolecer, aproximadamente entre 30 e 45 minutos.

Tire a abóbora do forno,vire-a sobre um prato, deixando a parte cortada para cima. Dentro da abóbora coloque a manteiga e o açucar mascavo. Polvilhe-a com sal. Junte as duas partes da abóbora, colocando uma parte por cima da outra. Ponha a abóbora num tabuleiro (assim ela não vai deslizar muito enquanto assa).

Ponha a abóbora de volta no forno e deixe-a assar por mais 30 minutos.